VOLKSWAGEN JÁ FABRICA GOLF NACIONAL, QUE CHEGA ÀS LOJAS NOS PRÓXIMOS DIAS

A Volkwagen já iniciou a produção nacional do Golf na fábrica de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, no Paraná. O modelo, que já está disponível em muitas concessionárias apenas para test-drive, ainda não tem os preços definidos e as vendas vão começar nos próximos dias. Atualmente, o hatch médio é importado do México e vendido com preços sugeridos entre R$ 76.790 (versão Comfortline 1.4 manual) e R$ 114.990 (GTI 2.0).

Para fabricar o Golf no Brasil (e também o sedã A3, da Audi, já em produção), a Volks investiu R$ 520 milhões para adaptar e melhorar a planta de Pinhais. Um novo processo de montagem foi implementado para permitir que tanto o hatch quanto o Fox fossem montados na mesma linha. Além disso, de acordo com a fabricante, mais de 2.000 tralhadores receberam qualificação para se adequarem às novas rotinas e aos novos equipamentos.

Por falar em maquinário, a linha de montagem recebeu para a montagem da carroceria 168 robôs de última geração, com eficiência energética 25% maior, além de oferecem mais precisão e rapidez no processo, que envolve soldagem a laser e um equipamento para alinhar as peças com precisão de décimos de milímetro.

Também houve aprimoramentos nos processos de pintura, otimizados com o uso de robôs mais eficientes, e de montagem do trem de força (motor e câmbio) e da suspensão na carroceria, trazendo mais controle das atividades, inclusive dos apertos dos parafusos, para que recebam o torque (força) adequado.

Ao assumir a "cidadania nacional", o Golf manterá os motores 2.0 turbo de 220 cv da versão GTI e 1.4, também turbinado, para as demais configurações. Uma novidade é que as versões de 1,4 litro vão, como no A3, passar a ser abastecidas tanto com gasolina quanto com etanol, com um ganho de 10 cv, chegando a 150 cv.

Além disso, o hatch terá uma nova opção de entrada, inédita e equipada com o mesmo motor 1.6 16v flex aspirado de até 120 cv que equipa as configurações top de modelos como Fox, Gol e Saveiro.

O Golf brasileiro vai abandonar o câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas, mais rápido, por um automático convencional de seis velocidades com conversor de torque - o mesmo usado em modelos como Tiguan e Jetta aspirado - e vai continuar a oferta de câmbio manual de seis marchas. Outra mudança na comparação com o importado é o uso de eixo de torção na suspensão traseira, solução mais simples e barata, em substituição ao sistema independente multilink das unidades alemã e mexicana do Golf.

A configuração esportiva GTI, por sua vez, não terá essas simplificações, mantendo a caixa automatizada DSG de dupla embreagem e seis marchas e multi-braços na traseira, que garantem mais estabilidade.

  • Fonte: AUTO ESTRADA /
  • Autor: REDAÇÃO /
  • Data: 23 janeiro 2016
COMPARTILHE
NAS REDES SOCIAIS

MAIS NOTÍCIAS