Inovar-Auto é promessa de carros mais baratos?

Um artigo do jornalista Pedro Kutney, do site Automotive Business, expõe importantes pontos sobre a redução de preços esperada pelo governo com o novo regime automotivo, chamado de Inovar-Auto.

O governo elaborou o complexo regime automotivo para tornar a indústria nacional mais moderna e competitiva no mercado internacional. No entanto, o Inovar-Auto não estimula a concorrência, reforçando mesmo a posição das líderes de mercado.

Dessa forma, sem a presença de produtos importados para forçar preços e aumentar conteúdo nos nacionais, não há como esperar redução de preço. Além disso, a complexidade do Decreto 7819 cria muitas dúvidas sobre a eficácia das novas normas.

Para o governo, atrair novas montadoras e fazer com que as empresas instaladas aqui invistam em pesquisa, desenvolvimento, engenharia, entre outros, fará com que os preços caíam naturalmente. Será?

carro nacional tem três “sócios”

Kutney fala que o carro nacional tem três “sócios”, que o tornam o pior carro mais caro do mundo. Governo, infraestrutura e montadoras são os acionistas do produto brasileiro.

O governo é o maior sócio do carro nacional, já que durante décadas implementou uma política tributária altamente onerosa em todos os setores, especialmente no automotivo, onde detém participação majoritária de 30% no preço do carro. O índice é bem superior ao de mercados importantes.

Mas não satisfeito, o governo impôs ainda mais 30% de alíquota sobre o IPI para impedir a entrada de importados, reclamação cotidiana das “sócias” montadoras. Assim, sem a concorrência “estrangeira”, não há como o carro nacional melhorar seu nível de qualidade e baixar de preço.

Para piorar, o governo disfarça a manutenção da opressiva carga tributária, prometendo benefícios fiscais em troca de investimentos, assim obrigando suas “sócias” a gastarem mais para pagarem os mesmos tributos de antes. Na realidade só concede descontos de 1% a 2%, mas sem garantia de que isso vai chegar ao consumidor.

Aliás, nenhum ponto do Inovar-Auto propõe repasse de benefícios fiscais para o consumidor. Falando no consumidor, é ele que sempre vai sustentar os “sócios” do carro nacional, inclusive a infraestrutura brasileira, que está destruída e muito mal planejada, aumentando cada dia mais os preços dos bens de consumo. Essa realidade não vai ser mudada em cinco anos de regime automotivo.

Por fim, as montadoras. Essas “sócias” do carro nacional são bem conhecidas. Não é de hoje que elas remetem ao exterior muitos bilhões de dólares em lucros para suas matrizes, sustentando em muitos casos, os déficits nos principais mercados, reduzindo preços de seus carros e concedendo vários privilégios aos seus consumidores. Lucrar sim, mas abusivamente?

Só em 2011, US$ 5,6 bilhões sustentaram a riqueza ou pagaram as dívidas das montadoras com filiais no país. Isso sem contar o enorme lucro médio de 10%, bem acima do registrado nos principais mercados.

Enfim, nenhum dos “sócios” do carro nacional será eliminado pelo Inovar-Auto, que assim garante a manutenção dos altos preços pagos por carros mal acabados, inseguros e desprovidos de conteúdo.

  • Fonte: Notícias Automotivas /
  • Autor: Automotive Business /
  • Data: 09 novembro 2012
COMPARTILHE
NAS REDES SOCIAIS

MAIS NOTÍCIAS